Em busca de um desodorante mais saudável
Eleitos

Em busca de um desodorante mais saudável

por Vânia Goy

Eu já disse aqui, sou aficcionada por rótulos e sempre quero saber o que estou comendo, colocando na pele e tal. Não que eu consiga escapar dos parabenos em cremes potentes ou de alguns corantes em maquiagens encantadoras, mas tento ir fazendo substituições saudáveis aos poucos.

Um dos desafios era encontrar um desodorante, digamos, saudável. Antes de mais nada, quero deixar claro que todos esses que encontramos nas prateleiras das farmácias e dos supermercados são devidamente aprovados por órgãos especialistas no assunto, como a Anvisa e o FDA. Ou seja, não oferecem risco à saúde.

No entanto, uma corrente de pesquisadores e de usuários critica muito as formulações tradicionais, especialmente as antitranspirantes. Em geral, dois ingredientes são alvo de desconfiança: o triclosan e o alumínio.

O alumínio é muito eficiente nas fórmulas antitranspirantes porque cria uma barreira contra o suor. O problema é que alguns pesquisadores insistem que o organismo pode absorver o ingrediente e ele é, em algumas pesquisas, relacionado ao câncer de mama. Nenhuma delas é conclusiva, ele é liberadíssimo por todos os órgãos reguladores, mas eu sou encanada. Já o triclosan é um tipo de conservante anti-bactericida. Fiquei mesmo com a pulga atrás da orelha quando o FDA publicou uma nota em 2010 dizendo que ele é seguro, mas vai passar por análises mais aprofundadas depois de estudos apontarem que pode causar disfunção hormonal.

De qualquer forma, a questão primordial é: suor não tem cheiro, o que causa o odor são as bactérias. Suar é um jeito de liberar toxinas e controlar a temperatura do corpo, ou seja, é saudável. O negócio é controlar a proliferação dessas bactérias.

Tenho usado dois desodorantes para isso. O mais inusitado é o Kristall-Deo Stick Sensitive (R$ 75), da Alva. Ele é uma barra quase transparente, feita inteiramente de um mineral natural chamado alúmen de potássio. Você molha a superfície dessa pedra (que não tem perfume) e passa na pele. Ele não interfere no suor, só elimina as bactérias que podem causar o cheiro ruim. A Alva também tem versões em spray e roll-on e vende online. A vantagem desse é que o custo benefício é ótimo, ele é grande e pode durar até dois anos.

Outra linha com promessas positivas é a inglesa Tisserand (R$ 59,20). A fórmula não é 100% natural, mas não tem parabenos nem alumínio. Eles criaram um mix de dezenas de óleos essenciais e orgânicos que controlam as bactérias e odores. O aroma refrescante e verdinho da versão Tea Tree é uma delícia.

Posts Relacionados